Romance distópico prevê Brasil separado após guerra civil

Falar em separação do Brasil parece um remake do período eleitoral do ano passado. Mas é uma possibilidade levantada pelo jornalista Jorge Lourenço no livro distópico "Rio 2054 - Os Filhos da Revolução", publicado pela Novo Século Editora. Na obra, o Rio de Janeiro se torna independente do país por conta dos royalties do petróleo -- o estado recebe 75% dos direitos de exploração, embora concentre apenas 8% da população brasileira.


O debate é atual: o estado recebe a maior parte, enquanto outros estados ficam a ver navios -- 17 rateiam apenas 4,5% dos royalties. Um projeto de lei quer redistribuir essa partilha, mas encontra resistência. Portanto não é impossível imaginar que, no futuro, esse fator somado a outros -- de ordem política, econômica e social -- gere um conflito civil.

Compre por aqui e ajude o Livreiro

Amazon [versão impressa e digital]
Saraiva [versão digital] [versão impressa]
Cultura [versão digital]

"O livro trata de um Rio de Janeiro brutalmente segregado entre ricos e pobres, no qual um grupo de corporações assume o controle da cidade após a guerra civil e governa com punho de ferro. De certa forma, não é tão diferente do Rio de Janeiro de hoje, onde as empreiteiras têm participação forte no governo e as favelas guardam décadas de segregação social", afirmou o autor.

Assista abaixo ao booktrailer.



A obra de ficção científica também discute temas sociais, como desigualdade, corrupção e violência, e insere elementos de ficção científica, como o uso de alta tecnologia e personagens com poderes psíquicos. O protagonista da trama é Miguel, morador de uma região abandonada no pós-guerra, que se vê obrigado a desvendar os segredos de uma misteriosa inteligência artificial e, para proteger aqueles que ama, bater de frente com as poucas pessoas dispostas a salvar o que resta do Rio de Janeiro.

Jorge Lourenço é jornalista "nascido e criado no Morro do Andaraí". Já escreveu para o Jornal dos Sports, UOL e assinou a coluna de política Informe JB, do Jornal do Brasil.