Selo Motor irá investir em livros sob demanda de autores jovens

imagem: Emerix/Wikimedia Commons
Você é um autor iniciante, jovem, com boas idéias, mas não quer mendigar o apoio de grandes editoras comerciais? Conheça a iniciativa da Editora Ímã, capitaneada pelo empreendedor Julio Silveira: o seu novo projeto, o selo Motor, irá investir na publicação de livros sob demanda - aqueles voltados para um público específico, com baixa tiragem.

O projeto foi lançado na última terça-feira (7), no Rio de Janeiro. De início, o selo irá lançar quatro títulos tanto em versão digital (e-books) quanto em versão impressa. O objetivo é dar a oportunidade a autores jovens e desconhecidos de publicarem livros em pequenos circuitos, dando voz a uma categoria da literatura brasileira pouco ouvida pelo mercado editorial convencional.



No evento de inauguração do selo Motor, foram lançados os livros "Dentro Doida" - obra de contos escrita pela jornalista Carol Pimentel com prefácio de Xico Sá, escritor e colunista da Folha. "Sutilezas", livro também de contos escrito por Vera Rocha; "Tertúlia", obra elaborada por um coletivo de oito escritores; e "SE7E [cruz]", escrito por sete autores diferentes a partir das sete frases que Jesus disse no calvário, foram os outros títulos lançados.

De acordo com Julio Silveira, o objetivo do projeto Motor é atribuir uma lógica econômica ao "produto" literatura, sobretudo a brasileira escrita por autores novos e pouco conhecidos - características que, segundo o publisher, afugentam as editoras tradicionais. "É muito difícil um autor novo ser publicado", disse em entrevista aO Globo.

Cada um dos livros terá uma tiragem de 50 exemplares inicialmente, suficiente para garantir as vendas sem gastos com impressões de um grande número de exemplares e evitar o risco de encalhe. O custo final deve ser equilibrado com a eliminação dos livreiros do elo da cadeia de distribuição e a disponibilização direta de apenas um exemplar para as livrarias, como referência.

Dessa maneira, a estratégia difere da adotada por editoras comerciais - que imprimem 3 mil exemplares, cobrem os custos de produção vendendo 2 mil e rezam para não ter um encalhe. Com a impressão sob demanda, a economia de escala é revertida com o descarte de alguns gastos editoriais, e já no primeiro livro vendido se obtém lucro.

O objetivo do selo Motor é lançar dez títulos por mês, a princípio, sempre com o mesmo número de impressões e - se for o caso - elaboração de  reimpressões. A repartição dos lucros, diferente do que se pratica entre as editoras convencionais - que destinam apenas 10% da receita obtida com as vendas para o autor -, será de meio a meio.

Com informações de O Globo.