Crianças se acostumaram com fragmentos de histórias, afirma crítico inglês

imagem: Manu_H/Flickr (CC BY 2.0)
A experiência de leitura para as crianças, atualmente, tornou-se parte se experiências sensoriais e cognitivas bem mais amplas. O outro lado desse panorama aparentemente positivo, é que os jovens leitores não estão mais sabendo escrever narrativas longas porque se acostumaram com fragmentos de histórias.

O alerta foi feito pelo crítico de literatura infantil Peter Hunt. Durante o painel "Literatura e Arte na Era dos Bits", realizado durante a Jornada Nacional de Literatura na última terça-feira (23), ele analisou a forma como as crianças interagem com a informação atualmente

Para ele, um exemplo de como o livro não está mais no centro das atenções, é a obra Crepúsculo, da também britânica Stephenie Meyer. Na contracapa, há anúcios de DVDs da versão cinematográfica, de CDs, dentre outros produtos do gênero. A série de filmes tem um alto conceito entre jovens e pré-adolescentes, o que popularizou o livro entre esse público.

"Há uma mudança na maneira como compreendemos a história. O poder do texto e do escritor está sendo substituído pelo poder do leitor", lembra Hunt.

Com informações do Publishnews.